tesouro direto o que e

Tesouro direto: o que é?

Para toda pessoa que pretende melhorar seus investimentos e conhecimentos de economia, é preciso compreender o funcionamento do Tesouro Direto. Isso porque os investidores o vêem como uma das melhores opções quando se trata de segurança.

Porém, como é de se esperar, não são todos que possuem os conhecimentos necessários para utilizar o Tesouro Direto da maneira mais eficiente. Com a ideia de melhorar esse cenário, preparamos este artigo para que você entenda tanto o investimento como também use-o da maneira mais rentável possível. Acompanhe a leitura a seguir!

O que é Tesouro Direto?

Neste início, vamos definir o que é, essencialmente, o Tesouro Direto. Basicamente, este termo serve para falar dos vários investimentos, também chamados de títulos, que são disponibilizados pelo Governo Federal. 

O Tesouro direto foi criado para que o Estado tenha uma reserva em caixa, de modo que sirva para as suas mais diferentes demandas, como administrar a dívida pública, por exemplo. Depois disso, essas aplicações são retornadas aos investidores com os valores corrigidos a depender dos juros.

Como funciona o Tesouro Direto?

Basicamente é possível obter os títulos desse investimento através da internet. Na plataforma, geralmente das corretoras de valor escolhidas pelo investidor, também vão estar informações importantes, como as taxas de juros sobre aquele investimento, a sua liquidez, entre outros.

Para utilizá-lo bem, é necessário ter muita atenção às taxas que aquele investimento utiliza como critério, sendo a principal delas a taxa básica de juros, base de todos os títulos existentes no Tesouro Direto. 

Entender isso pode lhe garantir uma renda favorável. Por ser um investimento de renda fixa, é possível saber em quais condições ele se encontra, mas isso não significa que o Tesouro Direto não possa sofrer variações.

Vamos comentar agora sobre os tipos de títulos disponíveis no Tesouro Direto. Temos 3 tipos: pré-fixados, pós fixados e híbridos. 

Os títulos pré-fixados são os que já mostram o quanto será possível sacar daquele investimento na data de vencimento daquele título. Quanto aos pós fixados, são os que mostram os critérios que se utiliza para remunerar, mas o investidor só saberá deles  quando chegar o momento de sacar o valor. 

Por fim, temos os títulos híbridos ,que podem ser considerados uma mistura dos dois anteriores. Esses títulos possuem parte do valor definido, e outra, que se vai se basear na inflação para remunerar o restante. 

Agora que você já conhece os tipos de investimentos do Tesouro Direto, cabe a você escolher o que mais se encaixa ao seu perfil.

Quais são os riscos do Tesouro Direto?

O principal risco que se observa no Tesouro Direto é que a rentabilidade dos títulos depende das condições do mercado. Ou seja, como o Brasil é um país que tem como foco a venda de commodities, qualquer variação nesse cenário pode oscilar para mais ou para menos os valores dos títulos. Em termos mais sofisticados, chamamos esse cenário de risco de mercado. 

Quais são as vantagens do Tesouro Direto?

Com as desvantagens em mente, podemos comentar, sem maiores problemas, sobre as vantagens de se investir nos títulos do Tesouro Direto. 

A primeira delas, como dissemos na introdução, é a segurança. Esses títulos possuem uma boa taxa de liquidez, o que permite que o investidor faça o saque mesmo antes do título acabar. Claro que, nesses casos, o lucro não será o mesmo. 

Outra vantagem é que o Tesouro Direto permite que você comece a investir com uma quantia baixa. A partir de R $30,00 já existem títulos disponíveis, o que permite que vários investidores que iniciam no mercado possam se familiarizar com o universo financeiro através desses títulos. 

Esperamos que agora você saiba como funciona o Tesouro Direto e de que maneira é possível investir nessa categoria. Compartilhe o artigo para colaborar com a divulgação e confira outros conteúdos!


Comments

Uma resposta para “Tesouro direto: o que é?”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *