Como ensinar educação financeira para crianças: conheça as dicas!

6

Muitos adultos sentem dificuldade em falar sobre o dinheiro, e acabam com pouco controle sobre suas finanças por falta de uma educação financeira. 

É importante desde cedo falar sobre o uso do dinheiro com as crianças. Dessa forma, elas crescem com conhecimentos sobre como lidar com o próprio dinheiro e passam a ter mais segurança ao falar sobre ele.

A importância da educação financeira para crianças

O ministério da educação, em 2022, fez com que a educação financeira se tornasse obrigatória nas escolas, para que as crianças e jovens  tivessem um maior contato sobre o assunto. 

Como ensinar educação financeira para crianças conheça as dicas! (2)
Fonte/Reprodução: original

Em algumas escolas, por exemplo, simulações de como funciona uma compra no supermercado foram realizadas, e assim os alunos pudessem falar sobre reserva de emergência, gastos fixos e variáveis, e sobre o que era essencial e supérfluo.

De acordo com pesquisa do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), 90% dos estudantes brasileiros aprendem sobre finanças no ambiente doméstico, que deve ser abordado de forma natural pelos responsáveis.

4 Dicas de como ensinar educação financeira para crianças

Apesar das iniciativas, o alto índice de endividamento de brasileiros e a falta de informação com relação a finanças é preocupante. 

Por isso, é importante que as crianças desde cedo aprendam algumas noções básicas para que cresçam mais conscientes com relação ao uso do dinheiro. Confira algumas dicas para falar com as crianças sobre educação financeira

Dica 1: construção de um cofrinho

A partir dos dois anos, é ideal que a criança comece a criar o hábito de poupar dinheiro, para que experimente alguns comportamentos de compra que são essenciais, como o de guardar dinheiro para conseguir comprar algo desejado.

Para crianças mais novas, o ideal é que se estipule metas de curto prazo, como por exemplo juntar dinheiro para comprar doces ou salgadinhos. Conforme a criança amadurece, é interessante colocar metas de médio e longo prazo, como juntar dinheiro para comprar um videogame ou uma bicicleta.

Dica 2:  mostre o valor das coisas

Crianças a partir dos 6 anos já podem começar a ser ensinadas sobre o preço das coisas, como dos brinquedos e dos alimentos que ela consome. 

Apresentar o valor das moedas e das cédulas de papel é importante, e é uma atividade que pode ser realizada em forma de brincadeira, como jogos de tabuleiro como monopólio ou em uma ida ao supermercado, onde a criança é exposta ao preço de cada produto.

Dica 3:  diferencie o querer do precisar

A partir dos nove anos, a criança já pode começar a ter uma maior consciência sobre o seu próprio dinheiro, e o ideal é que ela passe a receber uma mesada.

Todo mês, a criança recebe um valor fixo e um dos responsáveis realizará um acompanhamento para ver o que a criança faz com esse dinheiro, de forma a incentivar ela a juntar para comprar aquilo que deseja. 

É importante estabelecer a diferença do que a criança quer e do que ela precisa. Exemplo, se a criança quer um tênis novo de um personagem que goste, a depender da quantia da mesada e do valor do tênis é interessante incentivar a criança a juntar o dinheiro da mesada para comprar o tênis.

Dica 4:  apresentação do orçamento familiar 

 

Entre os 10 e 12 anos, os responsáveis podem começar a envolver a criança no orçamento familiar. Mostrar a ela algumas contas como água, luz, internet, aluguel e/ou condomínio é importante para que a criança cresça ciente da existência de gastos fixos, que estão presentes na maioria dos lares brasileiros.

Outros gastos, apesar de serem fixos, podem ser mais flexíveis, como idas ao shopping e ao cinema, academia, vestuário etc.

Me mostrar que em meses em que se deseja economizar mais dinheiro ou cortar gastos, existem opções que podem ser utilizadas. Um exemplo são lares que costumam pedir pizza e demais lanches com muita frequência, e tem que não é tido como essencial e cuja compra pode ser suspensa temporariamente.

6 Comentários
  1. […] Embora durante muitos anos a poupança tenha sido vista como o lugar mais seguro para guardar dinheiro, com a popularização de canais de saúde financeira e a democratização de informações a esse respeito, hoje se sabe que essa não é a melhor opção para a reserva financeira. […]

  2. […] conhecer melhor esse assunto. Neste estudo, vamos explorar como o Brasil está liderando o caminho na educação financeira e como você pode aproveitar isso para melhorar sua vida. Junte-se a nós para descobrir como você […]

  3. […] ela conseguiu o reconhecimento de seu direito à indenização. Uma grande vitória para quem busca valorizar a Educação Financeira! Neste artigo, descubra como dona Maria conseguiu seu direito e o que isso significa para […]

  4. […] Você deseja realizar suas compras com segurança e conforto sem ser afetado pela taxa de juros alta? Esta é a solução! O Consignado do Banco Inter oferece a você a possibilidade de parcelar sua compra em até 96 vezes e com taxas diferenciadas. Navegue com segurança pelo mundo das compras e desfrute de uma taxa de juros diferenciada! Seja mais um adepto à Educação Financeira! […]

  5. […] esta oportunidade única e desfrute dos melhores benefícios para o seu planejamento financeiro. A Educação Financeira é uma importante aliada para que você possa investir de forma segura e responsável, e aproveitar […]

  6. […] Esta movimentação financeira impacta diretamente o cenário geopolítico e reflete uma postura de Educação Financeira que deve ser observada e analisada. Saiba mais sobre esta […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DMCA.com Protection Status